14 de dezembro de 2012

Stippling, a técnica dos pontinhos

Stippling, a técnica dos pontinhos e uma boa causa


Que desenhar exige o dom para a coisa, provavelmente todo mundo concorda, mas imaginem desenhar utilizando apenas uma caneta e milhares de pontos com enorme perfeição. A técnica conhecida por Stippling, além de tornar as coisas mais difíceis, requer enorme paciência como um monge tibetano e se o artista Miguel Endara não for monge, no mínimo a mesma paciência o cara possui.
Em 2004, um homem encontrado atrás de um fast food nos EUA, apresentava queimaduras graves, quase cegueira de catarata e nenhum pertence. Nem mesmo esse homem sabia quem ele era. Avaliado por profissionais, ficou constatado que ele sofria de amnésia dissociativa e adotando o pseudônimo de Benjaman Kyle, saiu em busca de sua verdadeira identidade, mas infelizmente, mesmo com digitais e DNA, ele não consegue afirmar quem realmente é. Nessa busca pela verdadeira identidade de Benjaman, Miguel abraçou a causa como pôde e utilizando o seu dom, desenvolveu um porta retrato de Kyle, utilizando a técnica de Stippling que mais parece uma fotografia P&B. O trabalho levou aproximadamente 138 horas para ser concluido e Miguel calcula que exista cerca de 2,1 milhões de pontos. O objetivo da obra, é levantar fundos com a venda de suas reproduções para apoiar uma petição que ajude Benjaman a obter um novo número de segurança nacional, já que o governo americano vem negando, alegando que ele já possui um. Para saber mais sobre a arte e sua venda, basta acessar o link.









       Link1, Link2